.


Sistema Solar em tempo real para educação astronômica...

Please install latest Flash Player to run Solar System Scope

PROPAGAÇÃO

sábado, 10 de novembro de 2012

JÁ USOU TELEFOTO? APARELHO DOS ANOS 1920 ENVIAVA IMAGENS PELA LINHA TELEFÔNICA

telefoto11.jpg

Mal termina um discurso de Obama na Casa Branca ou um bombardeio em Bagdá e os sites jornalísticos já estão cheios de fotografias de cobertura. Até poucas décadas atrás, no entanto, o envio de imagens – de agências internacionais ou fotógrafos distantes – era um processo bem mais demorado. As telefotos, desenvolvidas na década de 1920, eram pesados equipamentos que serviam para enviar imagens. O funcionamento era simples: as fotografias em preto e branco eram transformadas em impulsos elétricos, que permitiam a transmissão pela linha telefônica em que o aparelho era conectado – não mais pelas ondas de rádio, como se fazia até então.
 

A agência americana Associated Press (AP) inaugurou as transmissões por esse sistema em 1º de janeiro de 1935 com a notícia de um acidente aéreo de Adirondack, em Nova York. O primeiro circuito de transmissão da agência se limitava a Chicago, São Francisco e Nova York, mas não demorou para atingir cada canto do país. Um ano depois, a Soundphoto – que fornecia material para o jornal The New York Times – também entrou nesse mercado. Os serviços de telefoto se difundiram tanto que, a partir dos anos 1940, as imagens das mesmas agências estavam estampadas nas capas dos principais jornais do mundo. As telefotos aceleraram o processo de transmissão, porém a imagem perdia qualidade. Em muitas redações, era comum que o material fosse trabalhado por retocadores. O vídeo abaixo mostra o aparelho em funcionamento. O jornal O Estado de S. Paulo foi o primeiro veículo da América do Sul a usar a tecnologia para uma cobertura local, em 21 de abril de 1960. A imagem da missa de inauguração de Brasília (abaixo) foi transmitida a São Paulo por telefoto com ajuda da agência United Press International (UPI). Em poucas horas, a foto estava na edição extra do jornal. O Estado usou aparelhos de telefotos até a reforma gráfica de 1991, quando passou a adotar imagens em cores.

acervo1.JPG

Fotógrafa do Grupo Estado desde 1988, Mônica Zarattini costumava levar a telefoto em uma maleta, junto de um pequeno laboratório de revelação. A conexão com os telefones, muitas vezes, era no improviso. “Depois de ampliar a foto [em tamanho 18cm x 24cm], fazíamos a transmissão em quartos de hotel ou orelhões”. Para que os fotógrafos ligassem o telefone ao aparelho, era preciso desatarraxar o bocal e amarrar os fios. De acordo com a intensidade dos sinais elétricos, o papel receptor era pintado de preto ou cinza. Em grandes coberturas jornalísticas, não era raro o congestionamento de repórteres na sala da telefonista do hotel. “Era uma briga enorme, todo mundo queria mandar sua foto primeiro”.

telefoto22.jpg

Segundo Mônica, o processo era bastante manual, além de barulhento, e dificilmente as máquinas davam defeito. “O problema era se a ligação caía. Precisávamos começar tudo de novo”. O tempo para mandar cada foto – quando o telefonema estava bom – era de aproximadamente 20 minutos. Assim como na primeira transmissão da AP, para Mônica Zarattini a cobertura mais marcante com a telefoto foi de um acidente aéreo. Em seis de setembro de 1989, um avião fez pouso forçado em uma mata no norte do Mato Grosso após desvio de rota. A fotógrafa, que estava no Norte do País para outro trabalho, foi às pressas para o local registrar a tragédia e mandar as fotos para a redação. “Era uma correria, mas sempre conseguíamos mandar fotos exclusivas”, conta Mônica.

telefoto3.JPG

Acervo
Veja outras capas famosas de O Estado de S. Paulo com telefotos
Assinatura do Ato Institucional N. 5 – 14 de dezembro de 1968

acervo2.JPG

Chegada do homem à Lua – 22 de julho de 1969
acervo3.JPG

Visita do papa João Paulo II ao Brasil – 1 de julho de 1980
acervo4.JPG





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recent Posts

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...